Pular para o conteúdo principal

Escritório compartilhado NÃO é produtivo?


Em um ambiente de trabalho aberto, livre de salas, porta fechada e divisória é mais fácil se comunicar, interagir e, portanto, produzir, certo? 

Errado!!!


É o que diz um estudo feito pelos pesquisadores Jungsoo Kim e Richard de Dear, da Universidade de Sydney, na Austrália. Os resultados foram divulgados pela Harvard Business Review. Foram ouvidos mais de 42 mil funcionários em 303 prédios corporativos.

De acordo com a pesquisa quem divide um único espaço no emprego reclama não só de barulho ou falta de privacidade como até mesmo da qualidade do ar compartilhado e das cores e texturas usadas pelos colegas em suas mesas.

O principal problema, segundo o levantamento é a falta de privacidade ao falar.

60% das pessoas disseram estar frustradas em relação à privacidade do som no ambiente de trabalho. Metade daqueles em cujas mesas não há divisão nenhuma reclamaram do mesmo.

Entre os que têm salas privadas, o número não chega a 20%. Foram registrados aborrecimentos em relação à privacidade visual e a temperatura do ambiente, a típica disputa por ligar ou desligar o ar condicionado.

No estudo, de Dear e Kim citam outra pesquisa que diz que a perda de produtividade devido à distração por barulho é duplicada em escritórios abertos em comparação com escritórios privados e que "as tarefas que exigem "processo verbal complexo" estavam mais propensas a serem perturbadas do que tarefas relativamente simples ou de rotina.

Ainda segundo os pesquisadores, a facilidade de comunicação e interação, principal contribuição dos escritórios abertos não compensaria essa perda de produtividade, já que a "facilidade de interação" foi uma questão levantada por menos de 10% dos entrevistados, independente do tipo de escritório em que trabalham.

A pesquisa ainda conclui que quem trabalha em escritórios fechados é mais feliz do que quem compartilha o ambiente, já que estes relataram a menor quantidade de frustrações nos 15 fatores pesquisados. Por outro lado, curiosamente, os mais insatisfeitos são aqueles que têm divisórias altas em suas mesas eles atingiram os menores índices de satisfação em 13 dos 15 fatores.

Karla ApratoEspecialista em Gestão Estratégica de Pessoas 





Fique por dentro das DICAS sobre  mercado de TRABALHO e VAGAS de emprego CURTA  no facebook e siga no twitter @karreiracom 






Referência: Revista Exame 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa