Pular para o conteúdo principal

Amor e empreendedorismo? Será que dá certo?


Confira os casais empreendedores que deram certo (no amor e nos negócios)

Muita gente tem medo de envolver trabalho e vida pessoal. Casos marcantes do Vale do Silício mostram que casais que empreendem juntos podem, sim, conseguir muito sucesso.


Houve uma época no Vale do Silício em que venture capitals não gostavam da ideia de financiar casais. No entanto, Cisco e 3Com - duas importantes startups do Vale - foram fundadas por casais. Hoje, o mundo das startups parece nutrir ainda mais romances. Às vezes, ele é o CEO, outras vezes ela é. Às vezes, eles invertem os papeis. Para ter um filho, ou vários. Ou não. De qualquer maneira, o preconceito contra casais empreendedores precisa acabar. O empreendedorismo é um caso de paixão. Um afrodisíaco poderoso. Melhor conhecer o fenômeno.


Julia e Kevin Hartz (Eventbrite)
Foi necessário um pedido de casamento e uma oferta de trabalho em um novo negócio conjunto para que Kevin Hartz conseguisse trazer sua noiva Julia para o Vale do Silício. O antigo emprego de Julia em Los Angeles era simplesmente na indústria do entretenimento, mas ela mostrou bastante entusiasmo ao lidar com o início do negócio. Em 2006, o casal conseguiu um terceiro co-fundador e lançou o Eventbrite, uma plataforma online de vendas de ingressos que promove uma conexão com outros participantes do evento.
No começo de 2008, alguns dias antes do Eventbrite receber sua primeira rodada de investimento anjo, Julia deu à luz o primeiro filho do casal. Determinada a continuar durante o momento de sucesso, Julia permaneceu trabalhando em casa durantes cinco meses antes de retornar. Kevin ocupa a posição de CEO e Julia a presidência, enquanto cuida das duas filhas.

Victoria Ransom e Alain Chuard (Wildfire)

Assim como Julia Hartz, o interesse de Victoria Ransom em se tornar uma empreendedora foi estimulado pelo seu namorado. Victoria se uniu a Alain Chuard para fundar, em 2001, a Access Trips, uma empresa de planejamento de viagens voltada para jovens profissionais. Em 2007, quando o Facebook estava expandindo sua presença com as fanpages, Victoria e Alain criaram um aplicativo para executar sorteioa na rede. O app fez tanto sucesso que ganhou uma expansão independente. O Wildfire faz marketing nas mídias sociais, baseando-se nos efeitos virais para executar campanhas, gerenciar análises e desenvolver ações online. A empresa cresceu para aproximadamente 300 empregados e incluiu 30 marcas globais entre os clientes. Em julho de 2012, o Google bateu na porta e comprou a companhia de Victoria por aproximadamente U$ 350 milhões.
O instinto empreendedor de Victoria ajudou não apenas no desenvolvimento do produto, mas principalmente na hora de conduzir o show, mantendo o título de CEO.

Collis e Cyan Ta’eed (Envato)
Collis e Cyan Ta’eed viajaram de Papua Nova Guiné e Nova York, respectivamente, para se casarem na Austrália. Collis estava procurando um trabalho como designer e Cyan estava estudando Design quando se conheceram, e em 2004 eles começaram a trabalhar juntos como freenlancers.
A empresa deles, GoodCreative, se focou em design para trabalhos de caridade. A venda de arquivos em flash promoveu a Envato, um marketplace online, voltada para compra e venda de serviços criativos e bens digitais.
Hoje a Envato possui aproximadamente 10 milhões de visitas por mês, e um arquivo é vendido a cada 10 segundos. É o maior marketplace para web design, templates do Adobe After Effects e um mercado de música de fundo para uso em publicidade.
Collis é o CEO da empresa, e afirma que é menos solitário que outros CEOs por que pode trabalhar com sua esposa. Assim como Victoria e Alain, o casal não tem filhos. Os dois são bem próximos e passam o dia inteiro juntos, dividindo a paixão pelo trabalho.

Wendy Tan White & Joe White (Moonfruit)
Após se formar em Ciências da Computação na Imperial College em London, Wendy Tan White foi chamada para ajudar a construir o banco online Egg.com. Foi um projeto que a apresentaria para Joe White e a inspiraria para criar o seu próprio negócio. Em 2000, Wendy fundou a Moonfruit, uma plataforma de desenvolvimento web sob demanda, que fornece uma interface simples para que os usuários pudessem compartilhar suas paixões. Joe e um amigo da faculdade foram seus co-fundadores; Wendy e Joe se casaram logo depois.
Wendy se tornou CEO e Joe o CFO. Os dois cuidam dos negócios, trabalhando fora do escritório uma vez por semana. Eles têm um "encontro" semanal à noite e deixam os telefones fora de área ao chegar em casa todas as noites. É um sistema que parece funcionar bem, já que os lucros da Moonfruit em 2012 foram acima de US$ 5 milhões, com uma taxa de retenção 80-90% na plataforma de e-commerce do produto.
Então, veja: amor e empreendedorismo podem, sim, dar muito certo juntos!



Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas






#FicaDica 
Leia também:  15 opções de franquias para casais


Fique por dentro das DICAS sobre  mercado de TRABALHO e VAGAS de emprego CURTA  no facebook e siga no twitter @karreiracom 




Fonte: Site Administradores 
Foto: Google

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

10 tipos de funcionários

10 tipos de funcionários difíceis e como gerenciá-los A principal tarefa de um gestor é lidar com pessoas de todo o tipo e nem sempre isso é fácil. O site Inc.com fez uma lista dos dez tipos de colaboradores mais difíceis, com conselhos de como gerenciá-los da melhor maneira.  1- O competitivo Não importa quanto esforço seja necessário, quantas horas trabalhadas, quantas ideias roubadas, quantas pessoas machucadas pelo caminho, o competitivo não vai parar de seguir a meta de vencer até que esteja completamente convencido disso e, principalmente, até que consiga comprovar que alguém perdeu. Como lidar: Tire o foco dele e coloque no time para que ele possa entender que o que vale é o trabalho em equipe. Se for possível dar um incentivo prático para isso, por meio de algum tipo de premiação, melhor ainda. Ele fará de tudo para todos conquistarem o melhor e não apenas ele mesmo, e terá que dividir a glória por isso. 2- O indeciso Ele le