Pular para o conteúdo principal

5 tipos de liderança. Confira!


Que tipo de pessoa tem mais chances de se tornar um bom líder:
O mentor que cativa seus seguidores ou o diretor que inspira os funcionários por meio da perseverança e do trabalho duro?

São questões assim que os profissionais da Psych Test tentaram resolver em uma pesquisa que analisou 7.170 líderes americanos e canadenses, que foram divididos em cinco estilos diferentes.

A pesquisa foi conduzida por Ilona Jerabek, fundadora do Psych Test e pós-doutora em psicologia do trabalho.

Confira abaixo os cinco tipos encontrados e entenda seus pontos fortes e fracos. Se quiser avaliar seu perfil.

1- Treinadores esportivos – 28% dos bons líderes; 43% dos medianos a ruins
Esse tipo de liderança desenvolve sua equipe para ser autossuficiente, confiante e independente. Com um estilo de amor bruto, esse líder determina metas e inspira as pessoas a alcançá-las. Sua voz de comando exige o respeito da equipe, mas recompensa quando o trabalho árduo é percebido. O problema desse tipo é que dificilmente ele delega responsabilidades. Ele tem um foco maior no curto prazo e, por cultivar a autoridade, pode ter uma personalidade pouco acessível e se relacionar apenas em um plano profissional com os demais.

2- Diretores condutores – 22% dos ótimos líderes; 17% dos medianos a ruins
São líderes que põem a mão na massa e trabalham duro como qualquer membro da equipe. São pessoas ambiciosas e orientadas por resultados, que geralmente sabem o que precisa ser feito e como chegar lá. Têm uma postura firme: costumam desligar pessoas que não trabalham de maneira ética e alavancar aqueles com disposição para trabalhar. Do lado negativo, são pessoas que não confiam facilmente nas outras. Por isso, não delegam responsabilidades e costumam trabalhar mais para compensar a falta de ajuda. Como são pessoas práticas, não escolhem palavras para inspirar a equipe. Suas ordens devem ser acatadas sem questionamentos. Não são indicados para a formação de times devido à falta de jeito com pessoas. Eles preferem equipes já experientes e não costumam dar muitas chances aos que erram constantemente.

3- Mentores – 17% dos bons líderes; 23% dos medianos a ruins
São líderes que conseguem extrair o melhor de sua equipe e estão dispostos a gastar seu tempo para treinar os empregados. Para engajar o time, eles delegam responsabilidades de forma gradual, de modo a fazer com que a confiança e a independência de seus funcionários cresça à medida que eles realizarem as tarefas. São chefes de fácil relacionamento porque acreditam que as pessoas precisam de uma segunda chance, uma terceira e até uma quarta. Afinal, elas são o recurso mais importante da companhia. Esses líderes, porém, preferem trabalhar nos bastidores e não se sentem confortáveis comandando grandes equipes. Eles têm uma presença um pouco retraída e não são os mais recomendados para comandar a produção. São voltados às pessoas e não à geração de resultados a qualquer custo. Esse viés faz com que tenham uma visão de longo prazo limitada, uma vez que sua preocupação recai sobre o dia a dia dos funcionários.

4- Socialites – 1% dos bons líderes; 1% dos medianos a ruins
São líderes carismáticos e sedutores. Têm facilidade para cultivar relacionamentos e interagir com os clientes. Sua imagem é uma ótima estampa para a empresa e funciona quase como que uma ferramenta de marketing. São, porém, mais alegorias que líderes verdadeiros. Não costumam se envolver muito com a equipe e passam a função para quem está abaixo na cadeia de comando. Não costumam ser práticos e delegam todas as tarefas chatas para os outros. Eles entendem a importância de motivar o time, mas deixam o trabalho para alguém fazer.

5- Ecléticos – 32% dos bons líderes; 16% dos medianos a ruins

“As pessoas desta categoria têm a combinação de todos os tipos de liderança”, afirma Ilona. Esse é o estilo de um terço dos grandes líderes e a combinação de todas as posturas é a razão de seu sucesso. “São camaleões que usam determinado estilo de liderança conforme a situação”.




Karla Aprato - Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas 



#FicaDica



Fique por dentro das DICAS sobre  mercado de TRABALHO e VAGAS de emprego CURTA  no facebook e siga no twitter @karreiracom 







Fonte: Pequenas Empresas e Grandes Negócios 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa