Pular para o conteúdo principal

5 sinais de que seu chefe é péssimo


Ao longo da carreira, é comum encontrarmos um chefe que consideramos ruim ou péssimo, mas, o que faz o chefe ruim?

Segundo a pesquisa realizada nos Estados Unidos pela psicóloga Michelle McQuaid revelou que 65% dos profissionais consideram que um bom chefe traria mais felicidade do que um aumento de salário, por mais incrível que isso possa parecer.
As respostas são variadas e, de acordo com o especialista, podem ser divididas em 5 dimensões. Estas dimensões podem ser transformadas em um verdadeiro manual de como desmotivar seus funcionários.

Confira 5 práticas dos péssimos chefes e saiba como você pode mudar o jogo: 

1. Reconhecimento zero
“Ele nunca me elogia”, “ele não reconhece o meu esforço e o meu trabalho”. Se o seu chefe assume a glória sozinho quando algo dá certo e nunca é o culpado quando as coisas vão mal, você está diante de um problema muito comum no mundo corporativo: a falta de reconhecimento.
2. Autonomia demais ou de menos
MENOS = Quando a questão é a falta de autonomia é comum ouvir reclamações do tipo: “ele não confia em mim”, “me passa tarefas, não projetos”. É o estilo do chefe que diz tudo em detalhes sobre como o profissional deve agir, sem deixar espaço para criação.
MAIS = Mas não é só a falta de autonomia que incomodo. Do outro lado da moeda, o excesso de liberdade também é desmotivador. Quando este é o caso, de acordo com Jucá a reclamação principal é: “ele não se importa com o meu trabalho”.
3. Desafios desestruturados
Você está cansado de fazer sempre a mesma coisa. Ou se sente perdido com a inconstância das prioridades e pensa: “Não há rumo”. Sem os recursos necessários é impossível dar os resultados esperados.
“Ele não tem ideia de tudo o que eu tenho que fazer, é impossível eu dar conta”, você pensa, atolado em papéis e planilhas e gráficos, enquanto bebe o quinto café do período matutino.
“Ele só se interessa por resultados imediatos, não leva em conta eventuais dificuldades momentâneas na minha vida pessoal”. Esta também é uma reclamação frequente, quando o calcanhar de Aquiles do gestor está relacionado à dimensão dos desafios.
4. Ausência de aprendizado e evolução
Faz parte das atribuições de um cargo de gestão, dedicar tempo para desenvolver a equipe e melhorar o seu desempenho. Chefes que não têm essa habilidade, não alavancam pontos fortes dos profissionais.
“Não é um parceiro interessado no sucesso da minha carreira.”
“Meu chefe é ruim tecnicamente, não aprendo nada com ele”, “ele não compartilha experiências, raciocínios e conhecimentos”. Estas também são queixas freqüentes.

5. Falta de transparência e respeito mútuo
Falta educação, promessas são feitas, mas nunca cumpridas. Estes são alguns sinais de que falta respeito ou transparência na relação. Descobrir que seu chefe fala mal de você para outras pessoas na sua ausência e faz o mesmo com outras pessoas, também é um indicativo de que o problema está ancorado nesta dimensão.





#FicaDica

Estas são as suas reclamações? e agora? Como virar o jogo?  O que fazer? 





  1. Pode parecer estranho, mas a primeira delas é que você também é responsável por "educar" seu chefe;
  2. Relações ruins com o chefe também tem como contribuição a ausência do protagonismo do liderado, ou seja, apenas reclamar é adotar a posição confortável de vítima;
  3. Se você está deixando isso acontecer, você também é responsável por isso, ou por não criar uma relação de parceria ou por não saber cobrar (do jeito certo) atitudes dele;
  4. A dica para tentar reverter este quadro é apostar em uma reunião com ele. Sente para conversar, alinhe expectativas. 
  5. Não existem vilões ou ídolos. Ninguém é só ruim ou só bom Torná-lo um vilão ou idolatrá-lo é perder a chance de observar e de aprender. Todo o relacionamento,  é uma oportunidade de aprendizado. Não esqueça: você também será (ou já é) chefe de outras pessoas.

Referência: Revista Exame 



Karla Aprato Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas



Foto: Cena do filme "Quero Matar Meu Chefe"


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

10 tipos de funcionários

10 tipos de funcionários difíceis e como gerenciá-los A principal tarefa de um gestor é lidar com pessoas de todo o tipo e nem sempre isso é fácil. O site Inc.com fez uma lista dos dez tipos de colaboradores mais difíceis, com conselhos de como gerenciá-los da melhor maneira.  1- O competitivo Não importa quanto esforço seja necessário, quantas horas trabalhadas, quantas ideias roubadas, quantas pessoas machucadas pelo caminho, o competitivo não vai parar de seguir a meta de vencer até que esteja completamente convencido disso e, principalmente, até que consiga comprovar que alguém perdeu. Como lidar: Tire o foco dele e coloque no time para que ele possa entender que o que vale é o trabalho em equipe. Se for possível dar um incentivo prático para isso, por meio de algum tipo de premiação, melhor ainda. Ele fará de tudo para todos conquistarem o melhor e não apenas ele mesmo, e terá que dividir a glória por isso. 2- O indeciso Ele le