Pular para o conteúdo principal

Como anda sua autoestima?



Na juventude, planejamos a carreira que queremos seguir, a família que queremos construir, as viagens que gostaríamos de fazer, a cidade onde pretendemos morar. Dificilmente, pensamos em como iremos envelhecer.
Se a concretização de nossos desejos é incerta, o passar do tempo é inevitável  e irreversível. Mas não estamos preparados para aceitar passivamente as mudanças que vemos no rosto refletido no espelho diariamente. Prova disso é o esforço da indústria farmacêutica, estética e cosmética em desenvolver alternativas para enganar os sinais do tempo.

A pesquisa Índice de Bem-estar, realizada pela Unimed Porto Alegre, revelou que a satisfação consigo mesmo era um dos pontos importantes para a qualidade de vida dos entrevistados. Quem é feliz com sua própria imagem é mais seguro e autoconfiante, tornando-se mais produtivo para alcançar seus objetivos e para se relacionar socialmente. Essa também pode ser uma das motivações para procedimentos estéticos.

— Quem tem orelhas de abano pode ter problemas para se relacionar. Possivelmente, se fizer uma cirurgia corretora, terá uma melhor qualidade de vida — exemplifica Copetti.
Por outro lado, investir nesse recurso na tentativa de resolver problemas conjugais pode ser um erro, alerta o médico.
Para o psiquiatra Alfredo Cataldo Neto, a beleza física é passageira e o que perpetua as relações são as virtudes internas. Por isso, é preciso investir, desde cedo, em "poupanças afetivas": amigos, cônjuge, filhos.
— Para envelhecer bem, é preciso ter vivido bem. Muitos dos problemas vivenciados na velhice resultam de toda uma vida de relações conflituosas — comenta Cataldo.
Mas nem só da aparência depende a autoestima. O psiquiatra explica que a autoestima é o modo como a pessoa se vê no mundo e como se sente reconhecida pelos outros, no trabalho, na família, no lazer, entre os amigos.
— Quanto mais eu consigo diversificar as fontes de reconhecimento, mais eu me gosto — resume o psiquiatra.

Referência: Jornal Zero Hora 

 



#Ficadica 

Leia também:  
 






Karla Aprato - Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas
Consultora de Carreira e Criadora do site Karreira.com 

Fique por dentro das DICAS sobre  mercado de TRABALHO e VAGAS de emprego CURTA  nofacebook e siga no twitter @karreiracom 



 Para fins de direitos autorais de imagem declaro que as fotos usadas no post não são de minha autoria e que os autores não foram identificados. 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa