Pular para o conteúdo principal

Quem usa as redes socias é mais bem sucedido e feliz


Segundo pesquisa feita pelo Google, não só os profissionais mais bem sucedidos costumam usar redes sociais como são mais felizes no trabalho
Redes sociais são vistas como vilãs que roubam tempo por muita gente. Um estudo feito pelo Google, porém, chega para questionar esse mito. Segundo dados levantados na Europa, usar site como Facebook, Twitter, LinkedIn e Google+ pode determinar o crescimento na sua carreira.

De acordo com o levantamento, 86% dos entrevistados que eram usuários frequentes dessas redes haviam sido promovidos recentemente. Entre os que raramente usavam essas mídias, apenas 61% tiveram uma promoção no trabalho.

Subir na hierarquia, contudo, não é a única vantagem de quem usa redes sociais. Os usuários deste tipo de site são mais otimistas com relação ao seu trabalho (72% dizem que provavelmente serão promovidos, mas apenas 39% dos que não são usuários das redes sociais pensam da mesma maneira) e são mais felizes profissionalmente. Segundo os dados do Google, 38% dos entrevistados que acessam redes sociais para o trabalho se dizem muito satisfeitos com o emprego – contra 18% dos não usuários. Eles também têm mais chances de recomendar seu ambiente de trabalho para amigos: são 64% contra 42%.

E não são apenas os profissionais das gerações mais novas que usam redes sociais para o trabalho. Pelo contrário. De acordo com os dados da pesquisa, o número de profissionais em posições sênior que usam redes sociais pelo menos uma vez por semana é maior do que os em papeis juniores (71% contra 49%). E surpresa: as diferentes gerações afirmam que o uso dessas ferramentas sociais pode poupar até duas horas semanais de tarefas cotidianas como e-mails e reuniões.

As empresas que permitem que os funcionários acessem as redes sociais têm uma boa vantagem em relação às concorrentes. 60% dos entrevistados que usam Facebook e Twitter no trabalho acham seu emprego interessante – dos que não usam, apenas 42% deram essa resposta. No fim das contas, permitir que o funcionário use as novas ferramentas online é visto como um sinal de confiança da empresa.













Karla ApratoEspecialista em Gestão Estratégica de Pessoas















Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa