Pular para o conteúdo principal

Onde estão os horários flexíveis?


No último ano, 45% das empresas privadas brasileiras adotaram políticas de horários flexíveis no trabalho. Esse resultado revela uma queda de 17% em relação a 2010, quando 62% das companhias ofereciam essa opção aos seus colaboradores. O percentual brasileiro está abaixo da média global de 52%, conforme revelam os dados do International Business Report 2012, elaborado pela consultoria Grant Thornton.

Outro estudo similar, coordenado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostra que 58,5% dos trabalhadores brasileiros possuem horários fixos de trabalho. Nesse quesito, o estudo mostrou uma diferenciação interessante: enquanto a grande maioria dos trabalhadores formais (83,3%) exerce jornadas de trabalho com horário fixo, 74,8% dos trabalhadores autônomos exercem horários flexíveis definidos por eles próprios.

No ranking global de flexibilidade no trabalho da Grant Thornton, o Brasil ocupa a 28ª posição. Os primeiros lugares da lista são da Finlândia (onde 89% das empresas possuem horários flexíveis), Suécia (85%), Dinamarca (82%), Nova Zelândia e Holanda (ambas com 81%) e Vietnã (78%). Na contramão, as organizações do Japão (16%), Taiwan (17%), China (24%), Singapura e Malásia (ambas com 30%) e Grécia (31%) são as que menos oferecem flexibilidade de horário.

De acordo com Antoniel Silva, diretor de gestão de pessoas da Grant Thornton Brasil, por aqui ainda impera o velho hábito de se valorizar o horário de chegada e saída dos funcionários. No entanto, falar em flexibilidade significa pensar também na qualidade de vida dos colaboradores e, consequentemente, na melhora no desempenho de cada um deles.

A região dos países nórdicos (85%) e da União Europeia (65%) são os locais onde as empresas mais permitem práticas de horários flexíveis, ao contrário dos países da Ásia Pacifico (32%) e BRICs (Brasil, Rússia, Índia, China, com 59%). "Notavelmente, os países em crescimento tem muito o que copiar dos países mais desenvolvidos quando o tema é a melhora das condições de trabalho para os funcionários", conclui Antoniel Silva. (diretor de gestão de pessoas da Grant Thornton Brasil)

A pesquisa da Grant Thonrton foi feita com 11. 500 empresas em 40 economias.

Referência:   Revista VocêRH 



Karla ApratoEspecialista em Gestão Estratégica de Pessoas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa