Pular para o conteúdo principal

Apagão de Talentos


Segundo Sergio Ricardo, coach master, especialista em Gestão Comportamental, em artigo publicado a revista voltada à Gestão de Pessoas, existe sim uma nova crise, que é quase imperceptível, acontece em todo o lugar, com todas as empresas, mas ninguém nota, devido à pressão que colocamos sobre nós mesmos. Essa crise é a crise de talentos.



Estamos vivendo um apagão de atitudes positivas e líderes motivados a fazer acontecer.

Nunca se sofreu tanto com a falta de “genialidade” como estamos sofrendo hoje. Conforme o especialista, as empresas não sabem lidar com isso, as faculdades aprendem, mas devagar, as famílias não dispõem de tempo para humanizar as relações com seus membros, e o stress acaba com qualquer possibilidade de genialidade que possa surgir. Talentos são raros e apenas com experiência, paciência e sabedoria podemos identificá-los. Isso requer tempo, e tempo em nossos dias é o que mais falta. Assim, o que mais falta são talentos em identificar talentos.

A dedicação nesse sentido deve ser primeiramente patrocinada pelas empresas, pelos líderes, apenas aquelas empresas que realmente se dedicarem a estabelecer uma postura responsável para descobrir, desenvolver e reter os talentos é que permanecerão no mercado e irão produzir cada vez mais Talentos.

São poucas empresas que são congruentes com a sua Missão e Visão, são poucos os empresários que aplicam o que eles pregam, e são poucos os líderes que lideram por influência, assim sendo são poucos os Talentos disponíveis que temos no mercado, pois os que despontam de maneira solitária, despertam para uma nova realidade um novo cenário.

A nossa carreira pode ser muito próspera, rica e bem sucedida, mas o que realmente vale e importa, são os momentos que passamos para conquistar tudo, o que é relevante é o que vivemos com a nossa carreira, é o que geramos com os nossos negócios e não o que ganhamos ou temos.


fonte: ABRH SC





   #FICA A DICA


Leia também:  6 sinais que vale a pena trabalhar na empresa 





Karla ApratoEspecialista em Gestão Estratégica de Pessoas  




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

10 tipos de funcionários

10 tipos de funcionários difíceis e como gerenciá-los A principal tarefa de um gestor é lidar com pessoas de todo o tipo e nem sempre isso é fácil. O site Inc.com fez uma lista dos dez tipos de colaboradores mais difíceis, com conselhos de como gerenciá-los da melhor maneira.  1- O competitivo Não importa quanto esforço seja necessário, quantas horas trabalhadas, quantas ideias roubadas, quantas pessoas machucadas pelo caminho, o competitivo não vai parar de seguir a meta de vencer até que esteja completamente convencido disso e, principalmente, até que consiga comprovar que alguém perdeu. Como lidar: Tire o foco dele e coloque no time para que ele possa entender que o que vale é o trabalho em equipe. Se for possível dar um incentivo prático para isso, por meio de algum tipo de premiação, melhor ainda. Ele fará de tudo para todos conquistarem o melhor e não apenas ele mesmo, e terá que dividir a glória por isso. 2- O indeciso Ele le