Pular para o conteúdo principal

6 sinais de que vale a pena trabalhar na empresa


Recebeu uma proposta de emprego? Confira como avaliar se aceitar o desafio é um bom negócio
1. Meritocracia
Os critérios da companhia para promover ou valorizar seus funcionários influenciam muito a maneira como a sua rotina de trabalho será modelada daqui para frente. Por isso, segundo os especialistas, prefira companhias que oferecem métodos claros de bonificação e plano de carreira.



Além de motivação extra todos os dias, essa estrutura poderá oferecer um norte para suas próprias decisões profissionais. 

Mas não é só isso. Os olhos dos recrutadores tendem a brilhar quando percebem o quanto um profissional foi valorizado em uma empresa que segue o estilo meritocrático. “Isso é percebido como um ativo”, diz o diretor do IBMEC/RJ. 

Por exemplo, se você foi promovido em uma companhia que se vale dessa prática, aos olhos do recrutador, isso pode ser um indicio de que você, realmente, fez um bom trabalho.

2.Responsabilidade social
O engajamento da companhia com causas sociais não é apenas mais uma estratégia de marketing para melhorar a reputação da marca. Segundo o diretor do IBMEC, investir em projetos de responsabilidade social também é um método para cativar os corações dos próprios funcionários. 



“Essa é uma estratégia de endomarketing, para ganhar os próprios colaboradores”, diz o especialista. “Pesquisas mostram que políticas de sustentabilidade, responsabilidade social, além de padrões e compromissos éticos servem para aumentar os níveis de auto estima do público corporativo”.


3. Reputação
Investigue a atuação da companhia no mercado em que ela atua. O comportamento da empresa com fornecedores, clientes e, até, competidores pode indicar tanto a saúde financeira dela quanto a cultura corporativa não oficial. 



Por exemplo, se vez ou outra, a empresa faz uma manobra, digamos, pouco aceita ou até antiética no mercado, sinal vermelho. Isso pode indicar que você terá que repetir esse padrão no futuro. Ou pior, dependendo do cargo, ter que passar o dia apagando incêndios do tipo. 

“As companhias vivem muito de reputação e o mercado de profissionais também”, diz Marco Túlio Zanini, professor da Fundação Getúlio Vargas. “Eu sempre oriento: num primeiro momento, não procure o melhor salário, mas um bom nome”.

4.Saúde financeira
Não deixe de acompanhar o noticiário com relação às companhias que podem fazer parte de sua carreira, no futuro. Nas reportagens sobre essas empresas, você poderá checar dados sobre a saúde financeira da companhia e as tendências para o futuro dela. 



“Se a empresa for de capital aberto, o profissional pode fazer buscas no balanço da companhia”, diz Danielly Lopes Tahan, da Fantozzi & Associates. O documento fica disponível na página de relação com o investidor do site da companhia ou na página da Comissão de Valores Mobiliários.

5. Futuro
Para não afundar com a empresa no futuro, vale dar uma de vidente e checar se as propostas para a companhia nos próximos anos são realmente viáveis. 



Primeiro, foque nos projetos em desenvolvimento. Avalie qual a viabilidade de cada um deles no mercado e se já foram regulamentados. Considere também os planos de difusão para cada um desses novos produtos.

6.Recrutamento
A maneira como a empresa trata da contratação dos seus novos colaboradores também pode servir de medida para sua decisão. “Se o entrevistador está mal preparado é um sinal de que a empresa não preza por essa área”, afirma Zanini, da Fundação Getúlio Vargas.
Mapa de investigações
Para além do noticiário, redes sociais e até documentos da CVM, os funcionários da companhia são as melhores fontes de informação para a sua decisão. “O que não é dito para um jornalista em uma entrevista, pode ser dito para você, em um café”, diz Adriana, da ESPM. 



Tente conversar com pessoas que trabalham na área correlata a sua. Não restrinja suas perguntas a questões macro relacionadas apenas à empresa. Vá além. Busque informações sobre futuros colegas de trabalho e, principalmente, sobre o futuro gestor. Mais do que qualquer política ou modus operandi corporativo, eles, sim, poderão influenciar sua rotina de trabalho e, até, sua vida como um todo.


Karla ApratoEspecialista em Gestão Estratégica de Pessoas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa