Pular para o conteúdo principal

Salário: Você nem sempre pode ter o quanto quer - mas é possível negociar



A negociação de salário não é tão difícil como frequentemente se pensa. É preciso levar em conta alguns fatores que influem em todo o processo de pedido de aumento

Já diz a música dos Rolling Stones: “You can’t always get what you want” (“Você nem sempre pode ter o que deseja”, em uma tradução livre). No capitalismo quase tudo é possível, desde que se saiba a maneira certa de como conseguir. Mas quem não pede não consegue. E a negociação de salário não é tão difícil como frequentemente se pensa. Alguns preceitos, porém, precisam ser considerados.
O primeiro deles é que o empregador vai assumir, sempre, que você está contente com o que ganha, a menos que demonstre insatisfação. Mas antes de mostrar que não está satisfeito, é fundamental organizar um plano de reivindicação. Em primeiro lugar, leve em conta o quanto você merece ganhar. Reflita sobre as tarefas que desempenha e, principalmente, se agregou soluções a algum projeto, se assumiu novas funções (que estão dando resultados concretos). Após essa fase de recolher informações quantitativas e qualitativas sobre seu próprio trabalho, é hora de se preparar para negociar. Veja a seguir como facilitar o processo de negociação e preparar o terreno para tornar possível um futuro

1. Conheça a empresa. É essencial conhecer bem a cultura da organização e sua política de salários. Descubra o seu lugar dentro desta cultura, avaliando o organograma de seu departamento. A negociação vai ficar mais fácil se você pesquisar tudo o que puder sobre a empresa antes de conversar sobre um aumento. Junte dados e números sobre produção, faturamento, ranking no mercado. Não se esqueça de verificar se existem dívidas é se este volume é significativo: estar no vermelho impossibilita possíveis repasses de ganhos a funcionários.
2. Conheça o mercado e seu lugar dentro dele. Tenha uma ideia exata de sua posição em relação aos executivos de outras empresas. Informe-se cobre a média de seu salário no mercado em comparação com outros profissionais na mesma função. Lembre-se de que seu pedido de aumento deve ser lógico, do ponto de vista da empresa e do mercado de trabalho.
3. Conquiste o seu empregador. Você precisa provar que vale cada centavo que pedir. Mostre disposição, entusiasmo e ambição profissional em todos os momentos da negociação. Desamarre o rosto, abra um sorriso cordial. Não se esqueça de que entusiasmo é diferente de impetuosidade.
4. Não desista na primeira negativa. Se os seus pedidos forem considerados fora de questão, há a oportunidade de conseguir vantagens paralelas que podem ser tão boas quanto um salário maior, como facilidade de aquisição de ações da empresa, programa de aquisição de computadores, carro, celular livre de encargos e outros. Saiba o que a empresa pode oferecer ou já oferece a outros profissionais. Mas não aja impulsivamente.As vantagens também valem dinheiro.
5. Saiba a hora certa de pedir aumento – e quando é a hora de recuar. Tente compreender as suas próprias necessidades e as necessidades do empregador. Não demonstre impaciência ou ganância para falar de dinheiro. Avalie também a data que vai ser escolhida para a negociação: dias tensos, repletos de reuniões ou demandas por solução são péssimos para qualquer tipo de coisa.
6. Empresas grandes são menos fáceis de negociar. Cada empresa tem um jeito de negociar, mas pequenas e médias empresas normalmente apresentam mais facilidade em atender um pedido de aumento, principalmente porque nas empresas grandes há grades fechadas de ascensão profissional e a flexibilidade do empregador para reenquadramento é menor.
7. Seja justo com você mesmo e com a empresa. Ganhar o aumento não deve ser encarado como uma vitória conquistada em batalha, mas como uma forma de atingir as suas metas e também as da empresa.
8. Aceite as razões do seu chefe. Ser flexível é uma qualidade importante, e quem sabe recuar agora pode significar uma vitória mais adiante.Tente aprender o estilo de negociação do seu chefe antes da conversa. Ele é do tipo que regateia ou é do tipo calado, que só fala para dar a última palavra? Respeite a maneira de ser do outro: funciona.
Termine a conversa de forma polida, mas manifeste que espera uma resposta à sua reivindicação não para agora, e sim mais tarde, talvez em uma nova conversa futura. Certifique-se de deixar esta porta aberta. Tente novamente em um momento mais oportuno. Porque, ainda conforme a música dos Rolling Stones, “But if you try sometimes you just might find you get what you need!” (“Mas se você tentar, às vezes, sim, você vai conseguir o que precisa”).
(Com informações do Portal Carreira & Sucesso – Catho Online)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.