Pular para o conteúdo principal

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades. 


Características
  • Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos;
  • Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários; 
  • Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade;
  • As atividades e objetivos são decididas por seus membros;



Organização:
  • São organizadas formalmente;
  • Possuem estrutura interna;
  • Objetivos formais;
  • Distinção entre sócios e não-sócios;
  • Administram as próprias atividades;
  • Normalmente são regidas por um Conselho;


  
No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como:
  • Empreendimentos sem fins lucrativos
  • Fundações empresariais
  • Igrejas e instituições religiosas
  • ONGs e movimentos sociais



O Terceiro Setor, ao contrário de organizações do setor privado, não distribui lucros a seus proprietários e, diferente das organizações do setor público, não estão sujeitas a controle político direto. O Terceiro Setor tem independência para determinar seu próprio futuro. A parte financeira do Terceiro Setor é vista por um ângulo diferente: o lucro, que na maioria das organizações é um fim almejado, para as entidades do Terceiro Setor é um meio, um instrumento para alavancar as ações que atingirão seus reais objetivos.

ELEMENTOS DEFINIDORES
DESCRIÇÃO
Foco.
Bem – estar publico.
Interesse comum.
Questões centrais.
Pobreza, desigualdade e exclusão social.
Entidades participantes.
Empresas privadas, Estado, ONG’s e sociedade civil.
Nível de atuação.
Comunitário e de base.
Tipos de ações.
Ações de caráter publico e privado, associativas e voluntárias.
Elementos definidores do conceito e das características do Terceiro Setor
Fonte: MELO; FROES, 2001, p. 8








Karla Aprato Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas






 #FICADICA
  Leia também:  Quem é o Terceiro Setor?   
  Acesse: Dicas de leitura




Referências:
HUDSON, Mike Gestão do terceiro setor no Brasil : estratégias de captação de recursos para organizações sem fins lucrativos.   2. ed. São Paulo : Futura, 1999. 204 p.
CAMARGO, Mariângela Franco. II Ueda, Mery. III. Suzuki, Mayumi Fabiana, Ricardo Yuzo Sakima, V. GHOBRIL, Alexandre Nabil. Gestão do terceiro setor no Brasil. São Paulo: Futura, 2001.
KOTHER, Maria Cecília Medeiros de Farias.   Planejamento circunstancial : economia social - terceiro setor= Planificación circunstancial : economía social - terceiro setor.   2. ed.rev.ampl. Porto Alegre : EDIPUCRS, 2004. 155 p.
MELO NETO, Francisco Paulo de.   Responsabilidade social e cidadania empresarial: a administração do terceiro setor.   2. ed. Rio de Janeiro : Qualitymark, 2001. 190 p.




Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.
 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc