Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade: Quanta energia a internet usa?



Novo cálculo leva em conta múltiplos fatores.

É difícil saber por onde começar. Há a eletricidade consumida por latopts, desktops e smart phones. Servidores, roteadores e outros equipamentos de rede consomem mais energia. Também é preciso incluir a energia gasta na fabricação destes aparelhos. Mas ninguém sabe quantos dispositivos estão conectados à internet no mundo, nem quanto tempo leva antes que sejam substituídos.

Os pesquisadores Justin Ma e Barath Raghavan, respectivamente da Universidade da Califórnia-Berkeley e do Centro Internacional de Ciência da Computação, no mesmo estado, resolveram arregaçar as mangas e fazer as contas. Eles estimam que a internet consome entre 170 e 350 gigawatts (GW).

 Isto levanta outra questão: é um número pequeno ou grande?


Raghavan e Ma chegaram à soma fazendo um censo na web. E usaram pesquisas previamente publicadas, segundo as quais o mundo tem 750 milhões de laptots, um bilhão de smart phones e 100 milhões de servidores. 
Eles também adicionaram a energia usada para produzir cada um destes tipos de equipamento e o período de utilização antes da substituição (três anos para um laptop, 2 para um smart phone).  Completam o quadro estimativas de torres de celulares e cabos óticos para transmissores de wi-fi e dispositivos de armazenamento de dados em nuvem.
A resposta final parece grande. Um gigawatt é um bilhão de watts, e manter a internet funcionando é como deixar ligadas bilhões de lâmpadas de 100W simultaneamente. Mas o número é pequeno se comparado ao uso global de energia de todos os setores – são 16 terawatts consumidor na web.  Assim a internet é responsável por menos de 2% da eletricidade consumida pela humanidade, relata a New Scientist 






















Raghavan e Ma sugerem que vale a pena tentar criar  aparelhos mais inteligentes no caso da internet, mas que isso não reduzirá o consumo global de eletricidade. O que eles propõem é que a internet possa substituir atividades de energia mais intensiva. 
Eles calcularam que uma reunião que acontece por vídeo-conferência usa em média cerca de um centésimo de energia de uma reunião ao vivo, na qual participantes têm de voar para ficarem juntos. 
A substituição de uma em cada quatro destas reuniões por uma conferência telefônica bastaria para economizar tanta energia quanto toda a internet consomem.

















































Karla Aprato Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas







Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados. 






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

5 casos bizarros de infantilidade no ambiente de trabalho

A máxima “não sabe brincar, não desça para o playground” parece servir para alguns adultos com síndrome de Peter Pan no mundo corporativo. Pesquisa realizada pelo Career Builder com 5 mil profissionais mostra que de 3 a cada 4 já presenciaram comportamentos dignos de um jardim de infância no escritório. 1. O dono da birra Dono da empresa costumava fazer birra, gritar e bater portas quando as coisas não caminhavam do jeito que ele queria. 2. Esconde-esconde Funcionário se escondia na empresa para fugir de deveres e obrigações do expediente 3. Armação ilimitada Funcionário armou uma cilada com o objetivo de colocar um colega de trabalho em apuros. Este tipo de comportamento também aparece na lista das puxadas de tapetes mais comuns no ambiente de trabalho. 4. O comilão Funcionário tinha por hábito atacar a comida alheia que estava na geladeira da empresa e deixar colegas de barriga vazia durante o expediente. 5. Almoço eterno Funcionário sa