Pular para o conteúdo principal

Você já sofreu assédio moral ?


42% dos brasileiros SIM! Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Que também aponta que o assédio moral já é considerado um grave problema para a saúde pública.  
Com os avanços tecnológicos, as pessoas passaram a se comunicar por meios eletrônicos, minimizando a comunicação pessoal. 

Para entender todo esse processo de mudança, um olhar mais atento para as relações interpessoais é urgente e necessário.

Um ambiente por vezes opressor, sem respeito, com diálogos ásperos e brincadeiras humilhantes, ferindo a dignidade e o respeito pelo outro provoca danos muitas vezes irreversíveis à saúde física e mental dos trabalhadores.

Um estudo de caso publicado no site da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que, na Bulgária, o assédio moral e sexual é muito comum no local de trabalho. O principal aspecto para esse fato baseia-se no papel do homem e da mulher na sociedade, sendo que, tradicionalmente, a mulher sempre foi vista como objeto sexual.

No Brasil, na última década foram registrados avanços a respeito desse tema. O debate sobre os princípios éticos no trabalho ganhou destaque nas discussões parlamentares, empresariais e em diversos sindicatos.

É importante ressaltar que devem ser tomados cuidados para não se criar um clima de histerismo a respeito do tema e evitar que situações pontuais no ambiente de trabalho sejam tabuladas como assédio moral. 
Esclarecendo: um ato isolado não é assédio moral. Para que uma conduta equivocada no ambiente de trabalho seja entendida como assédio, alguns aspectos são importantes, como repetição sistemática, intencionalidade, direcionalidade, temporalidade e degradação deliberada das condições de trabalho.

No entanto, práticas constantes de violação ao respeito, dignidade humana, cidadania, imagem, honradez e autoestima devem ser tratadas como coação moral, pois ferem o direito à igualdade previsto na Constituição federal. O trabalho não se restringe à mera dependência econômica subordinada, mas prevê o respeito ao outro, a cooperação e reconhecimento, autonomia do saber-fazer, justiça e afetividade ética.

Em um período de constantes avanços científicos e tecnológicos, temos de voltar a atenção aos princípios básicos de convivência humana. As relações de trabalho devem priorizar a dignidade humana e a ética profissional.

É preciso rever as práticas e os valores sobre as relações humanas e tentar impedir que esse risco invisível no mundo do trabalho prejudique o dia a dia e o desenvolvimento profissional dos de trabalhadores e trabalhadoras do nosso País.

Karla Aprato Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas





Leia também





Fique por dentro das DICAS sobre  mercado de TRABALHO e VAGAS de emprego CURTA  no facebook e siga no twitter @karreiracom 




Fonte: iG Carreira
Imagem: Google 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

10 tipos de funcionários

10 tipos de funcionários difíceis e como gerenciá-los A principal tarefa de um gestor é lidar com pessoas de todo o tipo e nem sempre isso é fácil. O site Inc.com fez uma lista dos dez tipos de colaboradores mais difíceis, com conselhos de como gerenciá-los da melhor maneira.  1- O competitivo Não importa quanto esforço seja necessário, quantas horas trabalhadas, quantas ideias roubadas, quantas pessoas machucadas pelo caminho, o competitivo não vai parar de seguir a meta de vencer até que esteja completamente convencido disso e, principalmente, até que consiga comprovar que alguém perdeu. Como lidar: Tire o foco dele e coloque no time para que ele possa entender que o que vale é o trabalho em equipe. Se for possível dar um incentivo prático para isso, por meio de algum tipo de premiação, melhor ainda. Ele fará de tudo para todos conquistarem o melhor e não apenas ele mesmo, e terá que dividir a glória por isso. 2- O indeciso Ele le