Pular para o conteúdo principal

Gostar de rock conta pontos


Gostar de rock pode contar pontos na busca de espaço no mercado de trabalho.

Na semana passada, um post publicado no blog Combate Rock, da Folha da Tarde, levantou uma tese inusitada: gostar de rock pode contar pontos (positivos) para quem está concorrendo a um emprego. O texto conta a história de um gerente de uma multinacional instalada no ABC paulista que teria contratado um jovem de 20 anos ao descobrir que ele era apreciador do bom e velho rock’n’roll. Na visão do contratante, quem gosta de rock geralmente é antenado no que está acontecendo no mundo e, consequentemente, na organização em que trabalha. Mas afinal, até que ponto esse caso sinaliza uma tendência ou uma simples excentricidade?
Bernardo Entschev , presidente do Bernt Entschev Human Capital, explica que gostar de um determinado estilo musical não costuma ser um fator decisivo na contratação de um profissional. As exceções são aqueles empregos em que um gosto específico pode ser chave para o desenvolvimento criativo. Empresas de jogos eletrônicos, por exemplo, contratam adolescentes para que testem os protótipos e passem suas impressões. “Em empresas, quando se faz esse tipo de pergunta, é apenas para saber como é o perfil da pessoa”, relata Entschev. Segundo ele, o perfil e o comportamento influenciam no conhecimento técnico dos candidatos a emprego.
Hoje, há diversas maneiras de se conhecer as características comportamentais das pessoas – desde a velha indicação até a pesquisa em sites de relacionamentos. De acordo com Crismeri Delfino Corrêa, vice presidente de Gestão e Inovação da Associação Brasileira de Recursos Humanos no Rio Grande do Sul (ABRH-RS), é importante conhecer o perfil do candidato para entender quais são os valores que ele carrega – e se esses valores são compatíveis com os da empresa. “Antigamente, avaliávamos somente o conhecimento técnico do candidato. Agora, os contratantes valorizam bastante o comportamento. Conhecimento se adquire, já o comportamento vem da pessoa”, analisa.


Entschev acredita que o perfil do contratado mudou nos últimos vinte anos. Antigamente, apenas setores que lidavam com os públicos externos – como o marketing ou o comercial – precisavam ter funcionários extrovertidos e com facilidade de relacionamento interpessoal. Agora, essas competências são fundamentais em todos os setores. “Os profissionais precisam saber realizar mais de uma função. Se falta o par, é preciso que ele faça a parte do colega para que a empresa não pare”, explica Bernardo Entschev.
A principal dica para quem está atrás de uma vaga é: seja antenado em tudo que acontece. Notícias, cultura geral e – por que não? – as últimas novidades do rock mostram que o candidato é interessado e pró-ativo, podendo dar conselhos à empresa em momentos de crise. “O cenário econômico atual é totalmente conectado. Um funcionário que sabe o que está acontecendo no mundo contribui muito para a empresa”, arremata Entschev.


Karla Aprato - Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.