Pular para o conteúdo principal

Você é feliz no trabalho?







Pesquisa revela que profissionais estão cada vez menos felizes em seus empregos. 
O resultado da pesquisa realizada e coordenada por Elaine Saad, da Right Management, foi divulgado no 37º CONARH/ABRH. Estudo mostrou que o grau de insatisfação tem a ver com idade, formação profissional e a área de atuação. A pesquisa foi realizada com 5.685 entrevistados. Os entrevistados responderam apenas SIM ou NÃO à pergunta: 


"Você é feliz no seu trabalho ?"


Resposta: 48% dos profissionais respondeu que NÃO!
 O percentual de mulheres (59%) supera o de homens (41%) igualmente insatisfeitos. 

Com relação à faixa etária: de 20 e 30 anos, representam 32% dos entrevistados, são os menos felizes. Os mais velhos parecem estar mais felizes. Na faixa dos 40 a 50 anos, apenas 8% não estão satisfeitos. A explicação segundo Elaine Saad pode ser a experiência adquirida na vida profissional, visto que, os cargos são de mais responsabilidade e os salários vão aumentando.
Localização Geográfica: 86% dos profissionais que se consideram insatisfeitos são do estado de São Paulo, seguidos pelos do estado do Rio de Janeiro com 4%, Paraná e DF com 2% cada e Minas Gerais com 1%. Os demais estados juntos somam 5% dos que responderam NÃO à pesquisa.

A formação acadêmica parece estar totalmente ligada á felicidade no trabalho, uma vez que o maior número de entrevistados que responderam NÃO à pesquisa possuem graduação(61%). Os graduados em administração de empresas representam 23% de entrevistados que disseram NÃO à pesquisa, seguidos pelos profissionais com formação em secretariado (11%). Com 4% ficam empatados os profissionais das áreas de Comunicação Social, Filosofia, Relações Internacionais e Tecnologia da Informação. Conforme a escolaridade aumenta, o percentual de insatisfação diminui.
A área administrativa concentra o maior número de entrevistados que responderam NÃO à pesquisa (17%), seguida pelas áreas financeira (9%) e recursos humanos (8%). O menor percentual de insatisfeitos, empatados com 4%, estão nas áreas de Consultoria e Varejo.
A pesquisa apontou ainda que, para os profissionais, a felicidade no ambiente corporativo está diretamente relacionada à qualidade de vida, ações motivacionais e oportunidades de crescimento.  Isso significa que, quanto mais estimulado o colaborador se sente, mais satisfeito com seu cargo ou posição na empresa ele fica.

 Fonte: Right Management/ 37º CONARH/ABRH





Karla Aprato - Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas 






Leia também:  Carreira: Congelei! e agora?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

10 tipos de funcionários

10 tipos de funcionários difíceis e como gerenciá-los A principal tarefa de um gestor é lidar com pessoas de todo o tipo e nem sempre isso é fácil. O site Inc.com fez uma lista dos dez tipos de colaboradores mais difíceis, com conselhos de como gerenciá-los da melhor maneira.  1- O competitivo Não importa quanto esforço seja necessário, quantas horas trabalhadas, quantas ideias roubadas, quantas pessoas machucadas pelo caminho, o competitivo não vai parar de seguir a meta de vencer até que esteja completamente convencido disso e, principalmente, até que consiga comprovar que alguém perdeu. Como lidar: Tire o foco dele e coloque no time para que ele possa entender que o que vale é o trabalho em equipe. Se for possível dar um incentivo prático para isso, por meio de algum tipo de premiação, melhor ainda. Ele fará de tudo para todos conquistarem o melhor e não apenas ele mesmo, e terá que dividir a glória por isso. 2- O indeciso Ele le