Pular para o conteúdo principal

Baby Boomers, X e Y


O crescente aumento da expectativa de vida, a redução da natalidade, a ampliação dos meios de comunicação entre as pessoas e a velocidade no fluxo das informações são fatores que criam um momento único na história. Pela primeira vez três gerações tão diferentes convivem no mercado de trabalho.

O grande desafio é decifrar os códigos para um melhor entendimento. Os boomers e alguns membros da geração X cresceram em um sistema educativo que colocava ênfase no aprendizado de ferramentas básicas como ortografia, a gramática e a expressão escrita e com uma conectividade reduzida ao rádio, à televisão e ao telefone, além de menos consumismo. Já a geração Y, enfrentou um sistema educativo deficiente no ensino daquelas ferramentas, mas teve acesso a uma conectividade tecnológica infinitamente maior e mais consumismo. Ambas as gerações reagiram da sua maneira racional diante do mundo que encontraram suas diferentes maneiras de perceber o mundo.
Essa diversidade resulta em atritos de convivência. Como, por  exemplo, na hora do feedback:
  • Os Y esperam feedback de todos no escritório
  • A geração X prefere que não intervenham em seu trabalho
  • Os boomers tendem ao formalismo da avaliação anual



No livro “Por que tenho medo de dizer quem sou?” De John Powell, no Capitulo: Relacionamentos interpessoais,  Harry Stack Sullivan, um dos mais eminentes psiquiatras do relacionamento interpessoal de nossos tempos, propôs a teoria segundo a qual todo o crescimento resulta de nosso relacionamento com os outros. Há uma suposição persistente e erronia de que podemos resolver nossos problemas sozinhos e comandar o navio de nossa vida, mas a verdade é que sozinhos somos apenas consumidos pelos nossos problemas e naufragamos. Um relacionamento só será bom na medida em que for boa a comunicação. E por isso, é preciso identificar e propagar gentileza, ternura, generosidade, sentimentos que demonstrem que pertencemos à mesma espécie. Que nos permitam superar divergências e vaidades para atuar a serviço da qualidade de todas as vidas, em todas as áreas.


Karla Aprato - Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas




#FICADICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terceiro Setor: Características e Classificação

O Terceiro Setor apresenta uma complexidade de assuntos relevantes que podem se desdobrar em temas de diversas áreas do conhecimento, desde as ciências humanas até a aplicação da tecnologia da informação na estruturação das redes de entidades.  Características :  Os principais objetivos são sociais, em vez de econômicos; Não distribuem lucro a seus administradores e proprietários;  Possuem alto nível de voluntariado e participação da sociedade; As atividades e objetivos são decididas por seus membros; Organização: São organizadas formalmente; Possuem estrutura interna; Objetivos formais; Distinção entre sócios e não-sócios; A dministram as próprias atividades; Normalmente são regidas por um Conselho;    No Brasil as organizações do terceiro setor classificam como: Empreendimentos sem fins lucrativos Fundações empresariais Igrejas e instituições religiosas ONGs e movimentos sociais O Terceiro Setor, ao contrário de organizações d

Qualidade e defeitos de um bom líder

Segundo pesquisa a capacidade de inspirar pessoas é a principal qualidade de um bom líder. Um levantamento da consultoria Robert Half, realizado com 300 executivos brasileiros, identificou as três principais qualidades de um bom líder, que são:   Capacidade de inspirar outras pessoas  (com 43,4% das indicações)   Ser ético (42%)              Capacidade de tomar decisões (38,9%)      A pesquisa também apontou os maiores defeitos de um líder: Desequilíbrio emocional:  26,4% Arrogância:  19,3% Centralização: 16,4% #FICA A DICA!   Leia também: A essência de uma boa liderança Karla Aprato -  Especialista em Gestão Estratégica de Pessoas Para fins de direitos autorais de imagem declaro que a foto usada no post não é de minha autoria e que os autores não foram identificados.    

O que te atrai?

As possibilidades de desenvolvimento de carreira permanecem no topo da lista dos fatores que atraem profissionais para uma determinada empresa, e são consideradas mais importantes que um salário alto, com bons benefícios. Essa é a principal conclusão de uma pesquisa feita pelas consultorias LAB SSJ e Clave, realizada com 10 000 pessoas. De acordo com os entrevistados, as empresas mais atrativas são aquelas que oferecem os seguintes itens: 1- Perspectivas de carreira futura (13%) 2- Reconhecimento e valorização (11,5%) 3- Desenvolvimento de novas capacidades, cursos e treinamentos (10,3%) 4- Remuneração competitiva em relação ao mercado (6,9%) 5- Ótimos benefícios (6,7%) 6- Equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (5,8%) 7- Desafios e responsabilidades relevantes (5,4%) Com base na opinião dos pesquisados, o estudo também listou as organizações brasileiras que mais oferecem os fatores mencionados acima, a saber: 1- Petrobrás 2- Vale 3- Google 4- Coc